Qual é o melhor anime Isekai do outono de 2019?

Você acha que a tendência de animes isekais que estão saindo está exagerada? Então você claramente não está prestando atenção à temporada atual, já que ela não apresenta apenas 2 ou 3 séries que pertencem irrefutavelmente ao gênero, mas sim 6 obras (ao menos as mais populares que temos no momento em que escrevemos esse post). São facilmente os animes isekais mais convencionais da temporada, mas isso não significa que sejam ruims.

Já estamos o suficientemente longe do início da temporada de outono para termos uma boa ideia do que está passando nas telinhas nipônicas, então é hora de viajar a outro mundo: o mundo da crítica de animes onde descobriremos (ou não) qual é o melhor isekai do outono de 2019.



Watashi, Nouryoku wa Heikinchi de tte Itta yo ne!


Esta leve adaptação de romance é cortesia de Himouto! O diretor Masuiko Oota, diretor de Umaru-Chan e Gabriel Dropout juntamente com o estúdio veterano em isekais Project No. 9. Seu personagem principal com o desejo de uma vida normal, apesar do ambiente sobrenatural, dão ao enredo uma nova direção, enquanto a combinação de cores quentes e saturadas e um estilo de arte suave tornam mais agradável ver essa história progredir.

Por outro lado, ele tem atraído a ira de luz novos fãs para fazer alterações intrusivas para seu material de origem. O mais flagrante é a adição de um personagem de mascote sem sentido, cujo único papel é expor informações e tentar (e falhar) parecer bonito o suficiente para inspirar a arte dos fãs.

A ideia de começar no meio da história, em vez do começo, também é desconcertante. Pode ter sido feito apenas para poder chegar às partes mais interessantes da obra durante a série, mas se esse era um problema tão grande, eles deveriam ter agendado uma corrida de 2 cours em vez de deixar uma grande parte da história não contada.


Shinchou Yuusha: Kono Yuusha ga Ore Tueee Kuse ni Shinchou Sugiru


Você achou "Konosuba" muito engraçado? Muito bem animado? Muito variado em seu humor? Você gostaria de poder assistir ao mesmo programa, mas pior? Então esta adaptação de romance leve e título muito longo é para você.

Isso pode ser um pouco duro já que esta história de um herói que se prepara para o encontro mais básico de monstros, como se fosse o chefe final, apesar de suas estatísticas de RPG sobrecarregadas não serem exatamente ruins em si, mas as comparações constantes que Takaomi Kanasaki nos convida a presenciar torna muito melhor o esforço do Studio Deen em nos nos fazer querer assistir a isso. A piada de um lutador que só usa sua força máxima mesmo quando luta contra inimigos extremamente fracos já foi melhor com a Megumin em Konosuba. O mesmo vale para as deusas incompetentes que já vimos como a Aqua! É fato de que Konosuba possui muito mais tipos de piadas, mesmo no primeiro episódio, significando que Shinchou Yuusha só valerá o seu tempo se você estiver cansado de assistir à Konosuba.


Hataage! Kemono Michi


Por falar em Konosuba, esta nova série do diretor de DRAMAtical Murder Kazuya Miura e primeira do estúdio de anime ENGI adapta a série light novel com o mesmo nome do autor de Konosuba, Natsume Akatsuki. Então é tão bom? Alerta de spoiler: não.

A trama envolve Genzo, amante dos animais e lutador profissional, e as aventuras que ele encontra depois de ser levado para um mundo de fantasia onde uma linda princesa o encarrega de livrar seu reino de monstros apenas para Genzo atingir o soberano flexível com um suplex superpoderoso. Veja bem, Genzo vê os monstros fantásticos deste novo mundo como merecedores de tratamento tão adequado quanto os animais em nosso próprio país e se compromete a estabelecer a coexistência entre homem e animal, em vez de violência, fazendo o que qualquer um que queira mudar o mundo deve fazer: abrir uma loja de animais.

Genzo é um personagem muito agradável, em parte por causa da performance vocal estelar de Katsuyuki Konishi, mas principalmente porque é revigorante ver um personagem com seus próprios objetivos únicos em um gênero saturado com protagonistas de mil-toques que seguem qualquer caminho que lhes for definido sem questionar (o fato que o caminho de Genzo leva a ótimas piadas também não faz mal). O único problema de Genzo é que ele está em um programa que parece não corresponder ao seu apelo. Como dissemos, este é o primeiro anime criado pelo estúdio iniciante ENGI e mostra que a falta de animação é subestimada porém, momentos  extremamente memoráveis ​​em que a animação existe parece imprecisa em seu ritmo, o que leva a que certas piadas visuais sejam temporizadas de maneira desajeitada. Ainda é perfeitamente capaz de ser engraçado e cativante quando as fraquezas visuais não minimizam a série.


Honzuki no Gekokujou: Shisho Naru Doma Wa Shudan wo Erandeiraramesan


Aproveitando o momento de Kemono Michi, Honzuki também segue um protagonista que muda um mundo de fantasia através de uma carreira mundana, mas a reviravolta aqui é que ela está presa no corpo de uma criança de 5 anos.

Nossa protagonista principal desta vez é Maine, filha de um soldado de baixo escalão, Motosu Urano, uma bibliotecária de 19 anos do mundo real que foi transportada para um mundo em que os livros são escritos apenas à mão e são consequentemente muito raros. Imperturbável com sua experiência extracorpórea e com a falta de poder neste cenário desconhecido, Motosu se propõe a levar livros para as pessoas, aumentar a alfabetização da população e salvar o mundo com suas habilidades de bibliotecária.

Este programa é facilmente a série de ritmo mais lento que estamos abordando aqui, mas, como um bom livro, quanto mais você continuar, melhor. Sua atmosfera descontraída e falta de combates não é o melhor show olhando nesta temporada mas, sua premissa cativante e sabor único absolutamente vale a pena para os interessados.


Choujin Koukousei-tachi wa Isekai demo Yoyuu de Ikinuku you desu!


Este título do Projeto No. 9 acompanha 7 prodígios do ensino médio sob o disfarce de adolescentes sendo transportados para um mundo de fantasia após a queda de seu fatídico voo.

Uma vez que eles se encontram em um mundo de fantasia medieval, seu objetivo não é encontrar um caminho para casa, mas usar seus talentos exagerados para ajudar os cidadãos desta terra desconhecida. O apelo do anime é semelhante ao de Dr. Stone, ao ver personagens inteligentes levarem o conhecimento moderno a uma terra distintamente não moderna, assumindo a tarefa de construir usinas nucleares, estabelecer um sistema econômico moderno e aplicar seus conhecimentos do século XXI a uma grande guerra isekai neste caso.

Ao contrário de Dr. Stone, o elenco dessa obra é muito chato. Escrever um personagem obscenamente talentoso sem parecer uma Mary Sue pode ser incrivelmente desafiador, muito menos 7, como Choyoyu tenta fazer, então o fato de seus personagens parecerem sem graça e dominados não é uma surpresa. Embora haja diversão em ver como eles adaptam suas soluções modernas para um mundo antigo, há pouco investimento encontrado além disso.


Sword Art Online: Alicization - Guerra do Submundo


Todos nós, mesmo quem ainda não assistiu a série, conhece Sword Art Online, nem que seja pelo nome, alguns vão dizer que esse anime nem deveria estar nessa lista (pois é o pior anime de isekai da atualidade) já outros vão defede-lô com unhas e dentes, o fato é que ele ainda é um Isekai e está sento transmitido nessa temporada então...

Apesar da derrota de Quinella - A pontifex da Igreja Axioma - as coisas ainda não parecem se acalmar. Ao entrar em contato com o mundo real, Kazuto "Kirito" Kirigaya descobre que a Tartaruga Oceânica - um mega flutuador controlado por Rath - foi invadida. Devido a um repentino curto-circuito causado pelos invasores, a luz de flutuação de Kirito é danificada, deixando-o em coma. Sentindo-se insegura com as pessoas na Igreja Axioma, Alice leva o Kirito inconsciente de volta à sua cidade natal - Rulid Village, desconsiderando seu banimento devido a um crime não resolvido. Agora, Alice está vivendo uma vida comum e pacífica perto da vila, desejando que Kirito acorde.

Agora já que vimos todos os animes de Isekai dessa temporada, qual você acha que é o melhor?

Você deveria ler... Inugami?

Fonte: MyAnimeList

Publicado do ano de 1997 até 2002, Inugami, escrito e desenhado por Hokazono Masaya (autor de outros “Hits” de terror como Mushihime, Pumpking Night, Kichikujima e a série Ihon), nos mostra uma história contida em seu próprio universo.

Em Inugami seguimos o jovem Fumiki Shimazaki, um estudante que sonha em um dia se tornar um poeta, até que um dia encontra um cachorro com uma tatuagem do número 23 em sua orelha. O cachorro, para a surpresa de Fumiki, consegue se comunicar e pede para que ele continue lendo poesia. É neste momento que os dois formam uma conexão, com 23 se transformando no melhor amigo de Fumiki. A medida que o vínculo entre os dois se torna mais profundo, eles enfrentam adversidades como outros Inugamis e o vilão Kiryu que pretende usar 23 para alcançar a terra além do oceano dos mortos, “Tokoyonokuni”.


Dividida em apenas 14 volumes a história de Inugami tenta ao máximo não se desviar demais do caminho traçado, muitas vezes lidando com personagens secundários de uma forma rasa, todo o desenvolvimento entre personagens parece reservado a Fumiki e 23, o que muitas vezes torna a história não muito interessante. Para contornar isso, o autor cria pequenos arcos que são resolvidos dentro de si próprios mas que carregam seu impacto para arcos futuros, culminando em um apocalipse onde pessoas se tornam plantas.


Com uma arte comum nos anos 90, que sinceramente eleva a obra ao meu ver, Inugami sofre de um problema de utilização de painéis durante suas cenas de ação, muitas vezes estes são mal utilizados tornando a cena sem impacto ou no caso contrário fazendo com que a luta pareça arrastada, porém o fato que a história continua se movendo faz com que esses problemas se tornem menores, principalmente considerando o bom uso de Ficção Científica com Sobrenatural, uma mistura de aspectos que Inugami faz muito bem mantendo eles sempre bem balanceados. Apesar de incesto ser um tema comum para Hokazono-sensei, o assunto nunca é tratado como fetiche e sim como ponto da história. Inugami, assim como os monstros da história, é uma criatura que existe apenas para ela. Se você gosta de histórias estranhas então definitivamente é uma boa leitura, caso contrário se mantenha longe desta história e das outras criadas por Hokazono Masaya.

No final do dia, você deveria ler Inugami? Não. Mas caso queira se aventurar e contar pra gente o que achou da obra nos comentários, fique à vontade!

Você deveria assistir... Shigatsu wa Kimi no Uso?


Poster Oficial:


Não é sempre que um anime aparece em sua vida com tantos sentimentos e boa música, talvez seja minha necessidade de parecer mais inteligente do que eu realmente sou ou a vontade de chorar feito uma criança de 4 anos que me trouxe para perto deste anime, mas com certeza foi o fato de eu querer chorar feito uma criança de 4 anos que me fez continuar assistindo o que facilmente é um dos melhores animes de todos os tempos. A história é contada no ponto de vista de Kousei Arima, um dos nossos personagens principais,enquanto ele lida com traumas do passado e com a Kaori claramente abusando emocionalmente dele. Não tem muita coisa que eu posso falar sem dar spoilers além de que Hiroko é a melhor garota e isso não tem nada a ver com meu amor por milfs. O anime conta com excelentes visuais e uma direção de arte invejável, seja usando cores para determinar o clima de uma cena ou o trabalho de câmera simplesmente perfeito durante as cenas dos concertos de música e os momentos mais emocionais. Não é uma mentira quando digo que chorei em todos os episódios, mais ainda ao final do anime.

A apresentação da história é cheia de emoção. Enquanto o foco é claramente Kousei e Kaori, todos os outros personagens tem seu momentos de importância, mostrando todos os problemas e emoções que nós passamos quando enfrentamos a puberdade e encontramos o amor da nossa vida como a Hiroko, tudo isso enquanto podemos fingir que passamos pelas mesmas emoções quando estávamos na escola e mentimos para nós mesmos que tudo está bem. Outro grande aspecto são as músicas escolhidas para o anime, não só as aberturas e encerramentos são lindas e cheias de spoilers para toda a história, como é durante as apresentações que o anime realmente brilha escolhendo excelente músicas clássicas. Mas claro, isso é só mais uma das minhas tramas para não parecer intelectualmente falido enquanto eu masturbo meu próprio ego pensando na Hiroko. 

No final do dia você deveria assistir Shigatsu wa Kimi no Uso? Sim… Definitivamente.
Postagens mais antigas Página inicial